Teatro
Officina de Teatro Juvenil
O Auto do Curandeiro

Existe um CURAndeiro que atende no Café, o centro de todos os encontros e desencontros da Associação. Um pai que vem agradecer a cura que o CURAndeiro fará ao seu filho, 2 vizinhas que são amigas de dizer, e um irmão em desespero celeste pelo seu outro que está doente.

Neste 4º espetáculo, a Officina  de Teatro Juvenil apresenta-nos O Auto do CURAndeiro, escrito por António Aleixo em Agosto de 1949, em Loulé. Este Auto dá-nos um olhar corrosivo sobre a relação de poder entre classes sociais. Em 1949, vivia-se em Portugal um regime ditatorial encabeçado por Oliveira Salazar que, segundo se dizia, nos tinha livrado da Segunda Guerra Mundial que acabara dois anos antes. Portugal vivia uma paz social, sobre a batuta de um Estado Novo onde Poder Politico e Poder Eclesiástico viviam de mãos dadas, sob um mesmo lema: Deus, Pátria, Autoridade. Quem são os CURAndeiros, e os Pais Agradecidos neste séc.XXI, agora que o Estado já não é novo? 

Estreia 

11 Julho de 2015 || 17h - Café do CCOP (Porto)

 

A partir do Texto · “O Auto do CURAndeiro” de António Aleixo 

Um espectáculo da · Officina de Teatro Juvenil

Intérpretes · Adão Reis (Doente), Gonçalo Tato (Irmão do Doente, Pai Agradecido), Mafalda Moreira (Velha e Vizinha), Paulo Ventura (Mestre Cafeteiro), Rosário Melo (Médico), Ruben Estrela (Vizinha Maria), Sofia Silva (Curandeira) 

Encenação · Miguel Ramos 

Assistência de Encenação · Rosário Melo 

Cenografia · Café do CCOP 

Figurinos ·  Officina de Teatro Juvenil 

Iluminotécnico · Baltasar Dàmico 

Cartaz · Alfredo Sapateiro 

Produção · Confederação – colectivo de investigação teatral 

Co-Produção · Catapulta / SOS – Racismo , CCOP, 

Agradecimentos · Rua do Sol, Café do CCOP 

Classificação Etária · Para todos 

Duração aprox · 40min

Lotação Limitada · 40 aprox. 

Bilheteira · Entrada Livre 

© 2019  Confederação – colectivo de investigação teatral