Ciclos de Cinema
 Africa _ já ali

1/7

[José Maia]

Pelo olhar e pensamento de realizadores europeus de diferentes gerações, com obras de ficção, etno-ficção e documentais iremos ver, (re)conhecer e reflectir como o ocidente representou e representa, pensou e pensa África.

 

As obras que serão apresentadas neste ciclo compreendem diferentes enquadramentos históricos, políticos, sociais e culturais permitindo-nos pensar:   

Nós, o Outro e a relação entre Ocidente e África na cultura ocidental e na cultura africana;   

o ocidente em África no período de colonização de África;  

o confronto com o olhar africano sobre o europeu e como e quanto europeu é o africano colonizado;   

a colonização portuguesa, a Guerra Colonial o fim do Império e descolonização;   

África Hoje, após independências e o surgimento das novas nações africanas;   

os fluxos migratórios africanos do norte de África para a Europa;  

África em Portugal, Hoje verificada pela presença de africanos, de portugueses africanos e de africanos portugueses, resultado dos vários processos de migração para Portugal; e por fim quanto e como somos hoje mais africanos?

 

O nome deste ciclo de cinema parte de uma deixa da personagem Zé Maria do filmePeixe Lua de José Álvaro Morais, apresentado no ciclo de cinema A gosto de Verão, programado pela Confederação para o Auditório do Grupo Musical de Miragaia. Nesta obra José Álvaro Morais apresenta a sua visão do SUL de Portugal, histórica, cultural, social e economicamente ligado a Espanha, ao Mediterrâneo e a África.

 

(…) Havia um texto do Cláudio Torres que dizia que o Sul começava na margem sul do Tejo, e isso sempre me fascinou. Aliás há uma deixa do Zé Maria no Peixe Lua que remete para isto mesmo. É quando ele, no pontão de Alcochete, recusa o convite do Gabriel para ir jantar com ele a Lisboa: “Quem me tira de África…”. Como se a África fosse já ali.

Saguenail e Regina Guimarães em CONVERSA COM JOSÉ ÁLVARO MORAISIn REINOS DESENCANTADOS – Um olhar sobre a obra de José Álvaro Morais, por Saguenail

 

Este Ciclo de Cinema foi programado por José Maia, e produzido pela Confederação. Aconteceu entre 4 de Setembro e 1 de Outubro de 2010, no Auditório do Grupo Musical de Miragaia (Porto) 

Estreia

4 de Setembro a 1 de Outubro 2010 , Auditório do Grupo Musical de Miragaia (Porto)
 

Programação
4 Setembro 2010 || 21h30

As estátuas também morrem ( França, 1953), de Alain Resnais e Chris Marker

Fata Morgana (Alemanha, 1971) de Werner Herzog

Texto de Folha de Sala: João Sousa Cardoso

6 Setembro 2010|| 21h30

Appunti per un'Orestiade Africana ( Italia, 1970) de Pier Paolo Pasolini

África 50 ( França, 1947), de René Vautier

Texto de Folha de Sala: João Sousa Cardoso

11 Setembro 2010 || 21h30

Os Mestres Loucos (França, 1955) de Jean Rouch

Texto de Folha de Sala: Regina Guimarães

Eu, um Negro (França, 1958) de Jean Rouch

Texto de Folha de Sala: Antoine de Baecque

13 Setembro 2010 || 21h30

alheava_filme (Portugal, 2007) de Manuel Santos Maia

Texto de Folha de Sala: Cristina de O. Alves

A Costa dos Murmúrios (Portugal, 2004) de Margarida Cardoso

Texto de Folha de Sala: Mariana Brito

18 Setembro 2010 || 21h30

Non, ou a Vã Gloria de Mandar (Portugal, 1990) de Manoel de Oliveira

Texto de Folha de Sala: António Preto e Mariana Brito

20 Setembro 2010 || 21h30

Terra Sonâmbula ( Portugal, 2007) de Teresa Prata

Texto de Folha de Sala: Rui Manuel Vieira

25 Setembro 2010 || 21h30

Casa de Lava ( Portugal, 1994) de Pedro Costa

Texto de Folha de Sala: Daniel Ribeiro Duartes

27 Setembro 2010 || 21h30

Bab Sebta (Portugal, 2008) de Frederico Lobo e Pedro Pinho

Texto de Folha de Sala: Rui Manuel Vieira e Luís Rocha Antunes

1 Outubro 2010 || 21h30

Juventude em Marcha (Portugal, 2006) de Pedro Costa

Ficha Técnica

Programação · José Maia

Cartaz · Denise Saito e Letícia Melli

Produção · Confederação 

Colaboração · Grupo Musical de Miragaia 

© 2019  Confederação – colectivo de investigação teatral